E como faço para que aceitem que temos que validar com os usuários?

Gerenciando o risco de que seu produto falhe e que você falhe junto com ele.



Photo by AJ Yorio on Unsplash


Na semana passada ministrei um workshop para um grupo de gerentes de produto (product manager) e designers de experiência do usuário que trabalham na área digital de uma empresa de serviços financeiros. Surgiu uma dúvida sobre o que pode ser feito quando nos pedem para colocar o produto digital no mercado sem que ele tenha sido testado com os usuários. O ar de frustração era palpável nas palavras do product manager que fez a pergunta: "O que você faz nesses casos? O que fazer se os chefes insistem em lançar o produto logo, sem validação ou com pouca validação?" E finalizou com um comentário adicional: "E eu pergunto isso porque sei que você sempre tem boas respostas."


Diante de perguntas como essas, e diante de tanta confiança em minha opinião, não poderia ter ficado mais motivado para responder. Nesta nota, compartilho algumas idéias sobre o que respondi a esse gerente de produto e o que recomendo que você considere se tiver desafios semelhantes em seu contexto profissional como product manager, product owner ou designer de produto digital.


Nada acontece sem riscos

A primeira coisa que temos que entender é que não há empresa que lance um produto digital no mercado sem assumir e enfrentar riscos. É impossível ter certeza quanto ao sucesso do produto. Em muitos ambientes e organizações, o problema não é que o risco seja ignorado, parece quase desnecessário mencionar isso; o verdadeiro problema é pensar que não há nada que possamos fazer para gerenciar esse risco. Existem muitas organizações que produzem produtos digitais presumindo que sua visão, sua obstinação e seu esforço serão reconhecidos pelo mercado. Isso raramente acontece e a aventura se soma a inúmeros fracassos que eles mal presumiram e pouco validaram. Não deveria ser assim. Devemos começar por reconhecer que, na inovação de um produto digital, o risco não deve ser ignorado, temido ou menosprezado, ele deve ser gerenciado.


O risco é mensurável e classificável

Em segundo lugar, devemos entender que os riscos associados a um produto digital podem ser classificados e medidos em dimensões específicas. Isso nos torna capazes de gerenciar riscos. Os riscos na inovação de um produto digital são de três tipos:


Risco de que o produto não seja desejável pelos clientes - desejabilidade


Risco de não termos a tecnologia para implementar o produto que atende a necessidade do cliente - viabilidade


Risco de não podermos definir um modelo de negócios viável para aquele produto e para aquele cliente - lucratividade

Esses três tipos de riscos devem ser gerenciados juntos. Nenhum produto digital pode ter sucesso a menos que tenha sucesso na combinação dos três elementos.


Quanto risco você deseja tolerar?

Por fim, devemos definir quanto risco queremos tolerar ao lançar o produto no mercado.

Podemos entrar no mercado com diferentes combinações de riscos em termos de conveniência, viabilidade e lucratividade.


Existem empresas e projetos como o Lyft, que prevê cenários em que a lucratividade não existe ou é muito limitada. Existem muitos outros cenários em que a viabilidade é real, mas o segmento de mercado que poderia ser adequado ainda não está claro (pense no início da Robótica 3D).


Qualquer que seja a dimensão em que o risco é antecipado, é importante determinar nossas métricas e definir os níveis ideais e reais com os quais queremos entrar no mercado ou com os quais teremos que entrar no mercado.


Esclarecer os tamanhos e perfis das amostras de potenciais usuários com as quais validamos, as características de desempenho com as quais toleraremos a operação ou as margens de lucro mínimas que esperamos obter, é administrar o risco ao inovar em um produto digital. Esse esclarecimento de pontos de partida em termos de riscos assumidos é um ato profissional, responsável e inteligente por parte de qualquer product manager. E, a propósito, essa é uma das principais funções de um bom product manager.


Em resumo:

Ao inovar em produtos digitais, o importante é entender que a validação é um ideal; compreender o seu nível de validação indica o seu nível de risco e aumenta a sua confiança em lidar com a incerteza.


Diante de um chefe ou cliente que comete o erro de acelerar cegamente o lançamento do produto e / ou que pede ao seu gerente de produto para ter 100% de certeza de que será um sucesso, as ideias apresentadas acima devem ressoar e servir como argumentos para ajudá-los a entender a importância de compreender a inovação com um produto digital como um exercício de validação de risco.


Se as ideias não repercutem com essa pessoa, talvez o que esteja em risco não seja o sucesso do produto digital, mas sim toda a estratégia de inovação da organização e, porque não, seu bem-estar e o seu futuro profissional como gerente de produto. Você está disposto a correr esse risco?



_________________________________________________________________________________



O que tem em mente?

Agradeço suas opiniões e comentários. Escreva-me.

e-mail: victor.gonzalez@sperientia.com / twitter: @vmgyg



Quer saber como melhorar a experiência de seus produtos ou serviços? Entre em contato conosco:

Sperientia [studio+lab

www.sperientia.com



_________________________________________________________________________________



All rights reserved

Copyright © 2019-2021 Víctor M. González

Todos os direitos reservados por Víctor Manuel González y González.

Sperientia, Sperientia [studio+lab] são marcas registradas.

Todas as opiniões expressadas aqui são pessoais e não representam a opinião dos meus atuais ou anteriores funcionários, clientes ou sócios.


6 vistas0 comentarios

Entradas Recientes

Ver todo