O medo da inovação

A inércia de nosso costume interrompe nossos esforços.


Foto by Ameen Fahmy em Unsplash


A inovação em produtos e serviços nos assusta. Sim, temos medo de iniciar um processo de exploração de ideias, temos medo de avaliar o que temos, temos medo de pensar que poderíamos redefinir o que oferecemos aos nossos clientes ou usuários. Redefinir quem somos no mercado. E vivemos com esse medo.


Refletir um pouco nos leva a entender que o que realmente tememos é a mudança. Pensar em começar, avaliar ou redefinir é pensar em fazer algo diferente do que já fazemos, e é exatamente quando percebemos a mudança e nos vemos mudando. E com esse medo de mudança, de mudança em um nível pessoal, é que lutamos e lutamos muito.


Surpreendentemente, nosso cérebro nos condiciona a não querer mudar. Esse mesmo cérebro que nos dota de imaginação, que nos faz sonhar acordados, que nos leva mais de uma vez a inúmeros pontos de possibilidade, nos impede de explorar além de nossos costumes, nossos hábitos, nossos padrões. E esse condicionamento ao comum nos impede de explorar o extraordinário, nos faz pensar que a mudança não é algo que devemos desejar e é algo que devemos evitar. E isso é a receita para não inovar, quando a intenção é justamente fazê-lo.


Mas esses freios são mais naturais e mais intrínsecos à nossa humanidade do que poderíamos supor. Nosso cérebro básico, o cérebro reptiliano, nos assusta e sua dieta energética nos limita. Sim, existe uma parte do nosso cérebro, a amígdala, que nos dá medo de explorar o desconhecido. Por outro lado, nosso condicionamento para limitar a energia que o cérebro consome nos leva a evitar qualquer esforço extra. O medo de nossos ancestrais de não ter acesso garantido aos alimentos e, consequentemente, de não ter energia para sobreviver, nos limita desde a origem.


Não fomos projetados para operar, de maneira normal, lidando com um esforço de pensamento criativo, divergente, exploratório e mentalmente desgastante. E assim vivemos persistindo no conhecido por medo e falta de energia para enfrentar o desconhecido. E quando a prioridade é a inovação, essa persistência nos impede de executar a validação de nossas ideias e de desenvolver qualquer elemento de exploração criativa de que necessitamos com tanta urgência.


Assim, continuamos vivendo e, mesmo em meio a um esforço de inovação, não queremos validar as nossas ideias. Preferimos pensar que nossas suposições são fatos. O cérebro e nosso condicionamento natural para evitar o esforço mental nos levam a acreditar que o que pensamos sobre uma ideia inovadora, seja ela sobre um produto, um processo, um serviço - e porque a ideia é nossa e somos inteligentes, capazes e vividos - ela é desde o nascimento tão válida como fato, algo que não precisamos provar porque seu valor é claramente visível. Essa ilusão que induz nosso cérebro, além de um toque de arrogância, nos cega para nossas idéias e seu valor real. Vemos nossas ideias, aquelas que definem a inovação que queremos alcançar, não como suposições que devem ser validadas, mas como fatos que devem ser valorizados. Ser valorizado pelos outros, não por mim, pelo mercado, pelos colegas, pelos nossos clientes, pelos nossos subordinados. E essa ilusão de enxergarmos nossas suposições como fatos geralmente leva ao fracasso da inovação que temos em mente. Não é que sejamos tolos por não querer ou mesmo contemplar validar nossos pressupostos, somos apenas humanos e agimos como tal.


Claramente, pensamos que nossas suposições são fatos porque a validação tem o potencial de exigir mudanças e não estamos condicionados a isso. Não estamos condicionados a mudar, estamos condicionados a ficar. A inércia de nosso costume interrompe nossos esforços de inovação. Validar nos leva a contemplar que nossa ideia inicial em relação à inovação pode ser incorreta, imatura, indesejável, não lucrativa, inviável. E, claro, custa-nos aceitar isso! Custa-nos em orgulho, custa-nos energia cognitiva, custa-nos mudar hábitos. Isso nos custa, ponto final.


Enfrentar nosso medo nos leva a ter que lidar com as incertezas e os custos que acompanham o esforço de validar uma ideia inovadora. E a incerteza é se os clientes aceitarão a ideia, se é possível contar com a tecnologia para viabilizar a ideia e se o negócio que definimos em torno da ideia é viável e lucrativo. E porque não arriscamos validar, essa incerteza cresce cada vez mais. O crescimento da incerteza só será impedido por um esforço extraordinário de validação, o que nos dará clareza sobre cada elemento mencionado acima e nos levará a menos incertezas e a um cenário mais claro dos riscos que assumimos se quisermos desenvolver essa ideia.


Entretanto, nosso medo nos paralisa e não nos permite validar. E isso nos paralisa a ponto de muitos desistirem do esforço, o que é uma sorte em alguns aspectos. E em muitos outros casos menos afortunados, a paralisia em termos de validação é substituída por um anseio cego de desenvolver sem validar. O lema implícito é: “deixe o mercado validar”. Não há motivo para ser assim. Não há empresa que aguente isso, ou poucas poderiam/deveriam.


E então, o que fazer? A solução é perceber que não é possível destruir ou eliminar o medo. O medo da inovação sempre existirá. O que temos que aprender é lidar com esse medo, entendê-lo como uma condição sem a qual, certamente, não podemos sobreviver como seres humanos, mas com a qual, claro, não podemos inovar. E entender que lidar significa administrar a incerteza, lidar significa assumir que não podemos encontrar uma validação plena e perfeita, que sempre teremos que correr riscos, entendendo que será pela validação e, dentro dos limites do nosso tempo, orçamento e paciência, que poderemos lidar com esse medo a ponto de começarmos a desenvolver a ideia e oferecer a inovação ao mercado que queremos impactar.


Por isso, nem sempre é a nossa teimosia, a nossa arrogância ou a nossa ignorância que faz com que a inovação em produtos, processos ou serviços não venham à luz e se cristalizem em sucesso. É a nossa própria natureza, aquela que nos define como humanos, aquela que nos limita. Temos que ir contra nossa natureza e recuperar nossa confiança criativa; temos que entender que, para estabelecer oportunidades reais de inovação, nós e nossas equipes devemos atuar sob o princípio de promover comportamentos extraordinários. Sair da "caixa" não é uma frase vazia. É a definição mais pura do que define nosso medo da inovação.



_________________________________________________________________________________


O que tem em mente?

Agradeço suas opiniões e comentários. Escreva-me.

e-mail: victor.gonzalez@sperientia.com / twitter: @vmgyg

Quer saber como melhorar a experiência de seus produtos ou serviços? Entre em contato conosco:

Sperientia [studio+lab]®

www.sperientia.com

________________________________________________________________________________


All rights reserved

Copyright © 2019-2021 Víctor M. González

Todos os direitos reservados por Víctor Manuel González y González.

Sperientia, Sperientia [studio+lab] são marcas registradas.

Todas as opiniões expressadas aqui são pessoais e não representam a opinião dos meus atuais ou anteriores funcionários, clientes ou sócios.



7 vistas0 comentarios

Entradas Recientes

Ver todo